Arquivos do Blog

Hamurábi – o rei da Babilônia


Cinco séculos depois, Hamurabi (1792 a 1750 a.C.) fundou o primeiro império mesopotâmico. O rei Hamurabi, que governou a cidade da Babilônia – a Babel, citada na Bíblia – entre os anos 1792 a.C. e 1750 a.C., mandou gravar na pedra seus poderes e suas obras. É um exemplo do poder na Antiguidade.

Como Hamurabi se descreveu?

Abaixo, é possível ler um trecho de um texto deixado pelo próprio Hamurabi em seu código de leis. Nele, podemos identificar como o próprio rei se identifica para a sociedade. Percebam que, segundo o texto, o rei é próximo dos deuses e sua sabedoria possibilita trazer fartura de alimento para o povo e riqueza para seu trono. Portanto, é o rei cuja vontade divina deve ser obedecida.

“Eu sou Hamurabi, aquele que acumula opulência e prosperidade,conquistador dos quatro cantos da terra,[…] aquele que supriu seu povo com a água, Que amontoou riquezas para Anu e Ishtar, Aquele que encheu de abundância os templos, […]

Eu sou o primeiro dos reis, aquele que dominou as regiões do Eufrates, aquele que salvou seus homens da desgraça,aquele que estabeleceu suas regras na Babel em paz, aquele cujas obras agradam a Ishtar, deusa do amor e da guerra, aquele que dirige os povos. Eu sou o rei forte, o sol da Babel, […] o rei que traz obediência aos quatro cantos da terra, O protegido da deusa Ishtar.”

Emanoel Bouzon. O Código de Hamurabi. Petrópolis: Vozes, 1986.

O Código de Hamurabi

O rei Hamurabi ficou conhecido por achados arqueológicos que remetem a um conjunto de leis que ele teria feito. Com o passar dos anos, os arqueólogos e historiadores compreenderam que Hamurabi, na realidade, foi responsável por reunir em um código uma série de leis que já existiam. Ele necessitava padronizar a forma de legislar e governar seu império, formado por vários reinos conquistados por ele e seus exércitos. Eram muitas atividades para coordenar, ao mesmo tempo que era preciso resguardar quea justiça fosse feita a toda população.

—O conjunto de leis mais famoso da época é o código de Hamurabi: tratava de regras e punições para assuntos de família, terra, comércio, propriedade, herança, escravos, etc. E, tinha por base as —Leis de Talião: “olho por olho, dente por dente”.
Anúncios

Sargão e o Primeiro Reino


O primeiro reino foi fundado pelo rei Sargão, em 2350 a.C. Vamos a algumas informações encontradas no wikipidea?!

Sargão da Acádia, também conhecido como Sargão, o Grande (em acádioŠarru-kinu,cuneiforme ŠAR.RU.KI.IN, “o verdadeiro rei” ou “o rei é legítimo”), foi um imperador acádio célebre por sua conquista das cidades-estado sumérias nos séculos XXIV e XXIII a.C. Fundador da dinastia de Acade, Sargão reinou por 56 anos, de 2270 a 2215 a.C. (cronologia curta). Tornou-se um membro proeminente da corte real de Kish, acabando por derrubar o rei local antes de partir para a conquista da Mesopotâmia. O vasto império de Sargão teria se estendido de Elam ao mar Mediterrâneo, incluindo toda a Mesopotâmia, partes dos atuais Irã e Síria, e possivelmente partes da Anatólia e da península Arábica. Governou a partir de uma nova capital, Acádia (Akkad), que a lista de reis sumérios alega ter sido construída por ele (ou possivelmente reformada), situada na margem esquerda do Eufrates. Sargão é o primeiro indivíduo registrado na história a ter criado umimpério multiétnico governado a partir de um centro, e a sua dinastia governou a Mesopotâmia por cerca de um século e meio.

Quem organizava e administrava a cidade antiga? O Estado


As desigualdades sociais geraram conflitos. Dessa situação, em muitas sociedades surgiu a principal instância política da sociedade: o Estado.

E o que é ESTADO? 

Estado é a organização política e administrativa dos habitantes de um território.  O chefe político, ou seja, aqueles que tomavam as decisões no Egito eram os faraós e na Mesopotâmia eram os reis.

Hamurabi - Rei da Babilônia

O poder do Estado precisa de complexos mecanismos de controle que visam manter a organização da sociedade. Para isso, é necessário um aparelho de repressão oficialmente autorizado a fazer uso da violência para manter a ordem.