Arquivo mensal: setembro 2011

A mesopotâmia ainda está em guerra!


Hoje, as terras férteis próximas aos rios Tigre e Eufrates já não são mais o alvo de interesses dos países desta região. O petróleo abundante é uma das causas da guerra.

Mesopotâmia: resumo


Depois de tantas informações sobre a Mesopotâmia, resolvi fazer um resuminho que pode ajudá-lo a estudar para a prova ou fazer um trabalho urgente! Vamos lá?!

Estudamos a Mesopotâmia pois esta região foi o berço de diversas civilizações e área de grande disputa entre os povos, pois suas planícies possuíam terras muito férteis e estavam bem próximas dos rios Tigre e Eufrates – que, inclusive, dá o nome da região. Terra entre rios é o significado da palavra grega mesopotâmia.

Nesta região constam as primeiras experiências de organização de cidades com formas de administrativa e política próprias, o que as tornaram conhecidas como cidade-estados. Embora tenham sido formados grandes impérios, como o Babilônico do rei Hamurábi, a centralização do poder não foi permanente.

A mesopotâmia é uma região que foi habitada por diversas civilizações:

  • Sumérios;
  • Acadianos;
  • Amorita;
  • Assírios;
  • Caldeus.
A base da economia desses povos eram:
  • Agricultura (possível pela proximidade dos rios, é claro!);
  • Pecuária (extensiva);
  • Comércio (Inicialmente, praticava-se o escambo. Com o passar do tempo, adotou-se o dinheiro como moeda de troca);
  • Servidão coletiva (Sustentação dos reinos mesopotâmicos. A servidão coletiva era obrigatória a todos os súditos que habitavam as terras do Estado. Em troca de ter um lugar para plantar, os homens eram obrigados a pagar impostos com produtos – geralmente, parte do que plantavam – ou serviços – nas obras públicas de construção de canas de irrigação e diques).
As sociedades mesopotâmicas eram constituídas por:
  • Rei e familiares;
  • Sacerdotes funcionários da administração;
  • artesãos, comerciantes, militares e funcionários públicos;
  • Camponeses e escravos (Maior parte da população sustentava a sociedade com seu trabalho na agricultura).
A organização política:
  • Cidades-Estado e impérios;
  • Monarquia Teocrática (O rei era considerado um deus).
Já, em aspectos culturais, as civilizações mesopotâmicas deixaram grandes legados:
  • invenção da álgebra;
  • escrita cuneiforme;
  • arquitetura com os jardins suspensos e sistemas de arcos;
  • escultura (baixo-relevo).
Outros aspectos culturais importantes são:
  • Religião politeísta (ou seja, cultuava a vários deuses);
  • Construção de zigurates (grandes templos religiosos).

Hoje, na região da Mesopotâmia estão compreendidos os países:

  • Turquia;
  • Síria ;
  • Iraque.

Síria, Turquia e Iraque: a região do crescente fértil


No mapa abaixo, vocês conseguem localizar o rio Tigre e o rio Eufrates? Se precisar de ajuda, compare com o mapa da região de Crescente Fértil (clique aqui). Foi fácil identificar, não é mesmo?!

Pois bem, o que quero mostrar a vocês é que, hoje, o crescente fértil compreende os atuais países da Síria, Turquia e Iraque.

Com o passar de tantos milênios, as condições climáticas não permaneceram as mesmas e nem a ocupação do solo. A região do Crescente Fértil, atualmente, enfrente problemas sérios com a seca. A agricultura do arroz, por exemplo, está muito prejudicada. O Iraque, como vocês podem ver no vídeo abaixo, era um país auto-suficiente na produção de alimentos. Com a seca, importa 90% do arroz que consome.

Sociedade dos povos mesopotâmicos


As sociedades mesopotâmicas eram divididas em classes sociais ou estamentos. Ou seja, havia diferença de status e tratamento conforme sua profissão, sua riqueza e o seu parentesco.

Algumas atividades inspiravam respeito (escriba, soldado, ferreiro). Outras, porém, eram consideradas inferiores (agricultores, construtores). Surgia, então, uma sociedade, marcada pela diferença social: alguns tinham prestígio e riqueza; outros tinham pouco ou nada, nem liberdade

Costumamos representar as sociedades mesopotâmicas em formato de pirâmide. Na base da pirâmide, bem maior e que sustenta toda a sociedade, estão grande parte do povo, constituída por trabalhadores braçais: artesãos, os camponeses e escravos . Acima, estão os comerciantes, militares e aristocratas. Percebam que conforme a pirâmide diminui, diminui também a quantidade de pessoas que fazem parte daquelas classes sociais. E, finalmente, no topo estão os sacerdotes, dentre os quais estão os reis, que também eram líderes religiosos.

Estandartes de URUK

Face da Guerra: É possível visualizar o Rei, soldados em carros de combate puxados por cavalos, nobres

Face da Paz: É possível ver o Rei, Nobres, Músicos, Camponeses, alguns animais domesticados

As Cidades-Estado


As primeiras cidades da Mesopotâmia foram governadas por reis. As cidades-estado eram unidades autônomas, com governo e força militar próprios, instaladas em determinado território. Foram, por isso, chamadas de cidade-Estado. Quando um rei dominava outras cidades-Estado, formava um reino. Se dominasse povos diferentes, como fez Hamurabi, ele fundava um império.

Fonte: Ilustração da Cidade de Uruk