Arquivos do Blog

O que são fontes históricas? (1)


Documentos ou fontes históricas são as pistas, os vestígios do passado, deixados por indivíduos e sociedades, que nos permitem desvendar seus hábitos, seus costumes e formas de organização.

Muitos vestígios se perderam ao longo do tempo.  Outros, contudo, tem sido preservados, guardados, e são encontradas em instituições como arquivos, bibliotecas, museus ou coleções particulares.

Veja, abaixo, algumas instituições onde você pode encontrar várias pistas para suas pesquisas de história, no centro da cidade do Rio de Janeiro. É só clicar no nome e passear…

 

Quer saber mais?! Veja também:

O que são fontes históricas? (2)

Quais são os tipos de fontes históricas?

Tempo cronológico X Tempo histórico


O tempo é uma questão fundamental para a nossa existência. Inicialmente, os primeiros homens a habitarem a terra determinaram a contagem desse item por meio da constante observação dos fenômenos naturais. Dessa forma, as primeiras referências de contagem do tempo estipulavam que o dia e a noite, as fases da lua, a posição de outros astros, a variação das marés ou o crescimento das colheitas pudessem metrificar “o quanto de tempo” se passou. Na verdade, os critérios para essa operação são diversos.

Não sendo apenas baseada em uma percepção da realidade material, a forma com a qual o homem conta o tempo também pode ser visivelmente influenciada pela maneira com que a vida é compreendida. Em algumas civilizações, a ideia de que houve um início em que o mundo e o tempo se conceberam juntamente vem seguida pela terrível expectativa de que, algum dia, esses dois itens alcancem seu fim. Já outros povos entendem que o início e o fim dos tempos se repetem através de uma compreensão cíclica da existência.

Apesar de ser um referencial de suma importância para que o homem se situe, a contagem do tempo não é o principal foco de interesse da História. Em outras palavras, isso quer dizer que os historiadores não têm interesse pelo tempo cronológico, contado nos calendários, pois sua passagem não determina as mudanças e acontecimentos (os tais fatos históricos) que tanto chamam a atenção desse tipo de estudioso. Dessa maneira, se esse não é o tipo de tempo trabalhado pela História, que tempo tal ciência utiliza?

O tempo empregado pelos historiadores é o chamado “tempo histórico”, que possui uma importante diferença do tempo cronológico. Enquanto os calendários trabalham com constantes e medidas exatas e proporcionais de tempo, a organização feita pela ciência histórica leva em consideração os eventos de curta e longa duração. Dessa forma, o historiador se utiliza das formas de se organizar a sociedade para dizer que um determinado tempo se diferencia do outro.

Seguindo essa lógica de pensamento, o tempo histórico pode considerar que a Idade Média dure praticamente um milênio, enquanto a Idade Moderna se estenda por apenas quatro séculos. O referencial empregado pelo historiador trabalha com as modificações que as sociedades promovem na sua organização, no desenvolvimento das relações políticas, no comportamento das práticas econômicas e em outras ações e gestos que marcam a história de um povo.

Além disso, o historiador pode ainda admitir que a passagem de certo período histórico para outro ainda seja marcado por permanências que apontam certos hábitos do passado, no presente de uma sociedade. Com isso, podemos ver que a História não admite uma compreensão rígida do tempo, onde a Idade Moderna, por exemplo, seja radicalmente diferente da Idade Média. Nessa ciência, as mudanças nunca conseguem varrer definitivamente as marcas oferecidas pelo passado.

Mesmo parecendo que tempo histórico e tempo cronológico sejam cercados por várias diferenças, o historiador utiliza a cronologia do tempo para organizar as narrativas que constrói. Ao mesmo tempo, se o tempo cronológico pode ser organizado por referenciais variados, o tempo histórico também pode variar de acordo com a sociedade e os critérios que sejam relevantes para o estudioso do passado. Sendo assim, ambos têm grande importância para que o homem organize sua existência.

Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola

Origem do calendário


As pesquisas indicam que o primeiro calendário surgiu na Mesopotâmia, por volta de 2700 a.C., provavelmente entre os sumérios, e foi aprimorado pelos caldeus. O calendário possuía 12 meses lunares (entenda o sistema Sol-Terra-Lua), de 29 ou 30 dias, e serviu de base para o adotado pelos judeus(acima, à esquerda). Como cada mês começava na lua nova, o ano tinha 354 dias, ficando defasado em relação ao calendário solar. Para resolver o problema, os caldeus acrescentavam um mês a cada três anos. O primeiro calendário solar foi criado pelos egípcios (acima, à direita), em meados do terceiro milênio antes de Cristo. Muito mais preciso, já tinha 365 dias. Hoje, utilizamos o calendário gregoriano, que não sofre influência do movimento dos astros. Ele foi instituído em 1582 pelo papa Gregório XIII (1502-1585), que reformou o calendário juliano – uma herança do Império Romano

Quem produz conhecimento histórico? O trabalho do historiador.


O papel do  historiador é investigar o passado, para que as pessoas do presente possam saber como viviam, pensavam, sentiam, desejavam, as pessoas de outras épocas.

O historiador pode pesquisar o passado mais remoto ou o passado mais recente. Para realizar seu trabalho ele precisa de documentos históricos – que também chamamos de fontes históricas.

Heródoto – o “Pai da História”

Esta imagem é de Heródoto, considerado o “Pai da História”. Ele nasceu no século V aC (485?–420 a.C.) em Halicarnasso (hoje Bodrum, na Turquia). Ele foi  o autor da história da invasão persa da Grécia nos princípios do século V a.C., conhecida simplesmente como As histórias de Heródoto. Esta obra foi reconhecida como uma nova forma de literatura pouco depois de ser publicada.

Antes de Heródoto, tinham existido crónicasépicos, e também estes haviam preservado o conhecimento do passado. Mas Heródoto foi o primeiro não só a gravar o passado mas também a considerá-lo um problema filosófico ou um projeto de pesquisa que podia revelar conhecimento do comportamento humano. A sua criação deu-lhe o título de “pai da história” e a palavra que utilizou para o conseguir, historie, que previamente tinha significado simplesmente “pesquisa”, tomou a conotação atual de “história”.

Fonte: wikipedia

Como podemos conhecer a História?


São várias as maneiras pelas quais nós podemos conhecer a História de um grupo ou uma sociedade. Podemos utilizar desde canções, lendas,  pinturas, esculturas, fotografias, filmes, poesia, arquitetura, as roupas que usavam.  Todos esses vestígios nos ajudam a contar a história de um povo.

Se muitas coisas da vida das pessoas interessam a História e fazem parte dela, então, todos os homens e as mulheres fazem história. Todos somos sujeitos históricos.